Duo Santoro faz o concerto de estreia da programação #saladigital da Sala Cecília Meireles, sábado, dia 1/8

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é 3a.jpg
Foto: Stefano Aguiar

Uma das mais tradicionais salas de concertos de país, reconhecida por sua acústica impecável, a Sala Cecília Meireles retoma sua consagrada agenda de concertos, tão aguardada desde a interrupção das atividades por conta do novo corona vírus, estreando a programação #saladigital. Inicialmente sem a presença de público, os concertos serão veiculados no canal no YouTube da instituição, assim como divulgados em todas as suas mídias sociais (Facebook, Instagram e Twitter). Para garantir a segurança dos músicos, técnicos e funcionários, a Sala Cecília Meireles seguirá o Protocolo de Segurança Sanitária da FUNARJ. Abrindo a Série Concertos Petrobras Para Todas as Famílias / Blim Blem Blom, no sábado, dia 1 de agosto, às 12h, o prestigiado Duo Santoro fará a estreia também com transmissão ao vivo pela Rádio MEC FM (93,3) – através do programa Blim-Blem-Blom, com apresentação de Tim Rescala e Betina Fonseca. A apresentação poderá ser assistida através do site https://radios.ebc.com.br/mecfmrio.

Sem a presença de público, mas com transmissão ao vivo, às 12h, pelo YouTube da Sala e pela Rádio MEC FM (93,3), no programa Blim-Blem-Blom, gêmeos violoncelistas reunirão, no mesmo palco, o patriarca contrabaixista Sandrino Santoro, seus filhos violinistas Marcela e Pedro, e a percussionista Ana Letícia Barros

Família Santoro

Os irmãos Paulo e Ricardo Santoro subirão ao palco, inicialmente, para executar obras escritas exclusivamente para o duo: “Sandrino no Choro” (Adriano Giffoni), “A bênção Sandrino” (Leandro Braga), e “Cantiga Pedro e Marcela” (Dimitri Cervo). Em seguida, Paulo Santoro e Marcela, sua filha de seis anos, ao violino, apresentam “Andantino”, de S. Suzuki. Pedro, de sete anos, filho de Ricardo Santoro e também violinista, sobe ao palco junto com pai para tocar “Bourrée”, de G. F. Handel. A reunião familiar se estende em consagração com a participação do patriarca contrabaixista Sandrino Santoro, que, ao lado dos violoncelistas Paulo e Ricardo, apresentam “Sarabanda da Sexta Suíte para violoncelo”, de Bach. A percussionista Ana Letícia Barros, mãe de Marcela e esposa de Paulo Santoro, se junta aos gêmeos na última parte do concerto e, reunidos, promovem uma requintada releitura de inesquecíveis obras populares: “Tico-tico no fubá” (Zequinha de Abreu), “O Trenzinho do Caipira” (Heitor Villa-Lobos) e “Brasileirinho” (Waldir Azevedo).

Ao longo de toda a programação #saladigital, serão arrecadadas doações para o Sindicato de Artistas e Técnicos em Espetáculos do Rio de Janeiro, SATED-RJ, que auxilia profissionais de teatro e música duramente atingidos pela interrupção de concertos, óperas e peças teatrais durante a pandemia.

Duo Santoro

Foto: Stefano Aguiar

Considerado “um dos maiores sucessos da música erudita brasileira” pelo Jornal O Globo, o Duo Santoro é um dos conjuntos mais elogiados pela crítica especializada. Único duo de violoncelos em atividade permanente no Brasil, o Duo Santoro estreou em 1990 e já se apresentou nas principais salas de concerto de todo o país e também no Carnegie Hall de Nova York, na Argentina e na República Dominicana. Seus recitais incluem um leque eclético de estilos, que vai do erudito ao popular. Uma das principais metas do Duo Santoro é a divulgação da música brasileira. Para isso, contam com a colaboração de vários compositores, que dedicaram algumas de suas principais obras ao Duo, tais como Edino Krieger, Ronaldo Miranda, João Guilherme Ripper, Ricardo Tacuchian, Dimitri Cervo, Villani-Côrtes, Tim Rescala, André Mehmari, entre outros.

Em 2013, lançaram seu primeiro CD, “Bem Brasileiro”, e em 2017, lançaram o segundo CD, “Paisagens Cariocas”, sendo eleito um dos “10 álbuns imperdíveis de música erudita” pela Revista Bravo! de São Paulo. Em 2018, gravaram o CD “Retratos de Brasil en Córdoba”, como solistas da Orquesta Académica del Teatro del Libertador.

SERVIÇO:

1/8, sábado – Duo Santoro faz concerto de estreia da programação #saladigital da Sala Cecília Meireles

Série Concertos Petrobras Para Todas as Famílias / Blim Blem Blom

Horário: 12h

*Transmissão ao vivo

Sala Cecília Meireles

Transmissão pelo YouTube – https://www.youtube.com/c/SalaCecíliaMeireles/

Rádio MEC FM – (93,3) – Programa Blim-Blem-Blom

Site – https://radios.ebc.com.br/mecfmrio

Duo Santoro (Paulo e Ricardo Santoro, violoncelos)

Duo Santorinho (Pedro e Marcela Santoro, violinos)

Sandrino Santoro, contrabaixo

Ana Letícia Barros, percussão

Tim Rescala e Betina Fonseca, apresentadores

PROGRAMA

Adriano Giffoni                                 –                      Sandrino no Choro

Leandro Braga                                   –                      A Bênção Sandrino

Dimitri Cervo                                     –                      Cantiga Pedro e                                                                                           Marcela

S. Susuki                                            –                      Andantino

G. F. Haendel                                    –                       Bourrée

J.S. Bach                                            –                      Sarabanda da                                                                                           Sexta Suíte

Zequinha De Abreu                           –                      Tico-Tico no Fubá

Heitor Villa-Lobos                             –                      O Trenzinho do                                                                                           Caipira

Waldir Azevedo                                –                      Brasileirinho

Fábio CezanneCezanne Comunicação – Assessoria de Imprensa em Cultura e Arte
21-99197-7465 / 21-3439-0145www.cezannecomunicacao.com.br

Rio Cello chega a sua 24º edição, com espetáculos gratuitos nos principais espaços culturais da cidade

Maior festival de música do país acontece, no Rio e em Niterói, de 7 a 20 de agosto, com atrações também em Volta Redonda, Cabo Frio e Florianópolis

 

A partir do dia 7 de agosto, terça-feira, a cidade do Rio de Janeiro voltará a ser sede do Rio International Cello Encounter, que chega a sua 24º edição apostando na multiplicação das linguagens do violoncelo, reinventando usos e formas de sua aplicação para além do repertório de câmara. O festival internacional, que há mais de duas décadas promove concertos de expoentes nacionais e internacionais da música, dança e artes visuais, vai promover, até o dia 20 de agosto, atrações gratuitas em importantes palcos culturais da cidade e também em outras localidades, como Niterói, Volta Redonda, Cabo Frio e Florianópolis. Teatros, centros culturais, igrejas, museus e parques são os palcos preferencias do Rio Cello. Idealizado e capitaneado pelo violoncelista inglês David Chew, desde a sua primeira edição, em 1994, o Rio Cello traz em sua programação, além de concertos, espetáculos de dança, exposições de arte, masterclasses e workshops.  Quase tudo inteiramente gratuito.

Neste ano, o festival vai receber o violoncelista alemão Marnix Mohring e a brasileira Kely Pinheiro, nascida na Comunidade da Grota, em Niterói, e em campanha de arrecadação para os custeios de sua bolsa de estudos para estudar música em Berklee, Boston. Outras grandes atrações darão o tom do festival, como a apresentação do Rice Cello Ensemble, da London Music Club Piano Quartet, do Blas Rivera Quarteto, Orquestra de Violoncelos e Contrabaixos de Volta Redonda, Quarteto Ad Libitum, da Colômbia, dentre muitos outros.

O Cello Dance, em sua 12ª edição, vai receber o projeto Frequência Modulada, reunindo, no Museu do Amanhã, dia 12 de agosto, domingo, o violoncelista Yaniel Matos, o DJ Muralha e os bailarinos Danilo D’Alma e Pâmela Sobral, em performances de dança contemporânea e street dance com elementos eletrônicos e cello.

Radicado e apaixonado pelo Brasil há 35 anos, David Chew está comemorando seus 50 anos de carreira firme no seu propósito de popularização da música clássica e homenageando o maestro Villa-Lobos, sua maior inspiração. “Nossa intenção é levar o poder de transformação social da música a espaços públicos e comunidades. No início, era um encontro de violoncelistas, mas o projeto cresceu e hoje recebe diversos instrumentos e múltiplas linguagens artísticas. Desta forma o festival alcança seu principal objetivo que é incluir a música na vida diária de todas as pessoas”, declara o músico.

Em 24 anos o festival bateu todos os recordes de público em eventos de música clássica no Brasil. Os números são impressionantes: 550 mil espectadores, 12 mil músicos, 900 concertos, 650 horas de workshops e masterclasses. Ao longo de sua extensa trajetória o Rio Cello consolidou-se como uma grande plataforma multicultural no qual música, dança, poesia, artes plásticas e cinema que integram um evento de grande sofisticação artística e responsabilidade social.

PROGRAMAÇÃO

 

06 de Agosto – 3a Feira

19h00 – Sede do Projeto Volta Redonda – Cidade da Música

Recital de Câmara

 

 

07 de Agosto – 4ª feira

Manhã e tarde – Sede do Projeto Volta Redonda – Cidade da Música

Masterclass de cordas (com Haroutune Bedelian-violino,David Johnson-viola,David Chew-cello,Marnix Möhring-cello e David Ashbridge-violino)

19h00 – Sede do Projeto Volta Redonda – Cidade da Música

London Music Club Piano Quartet

Lorna Griffitt – piano

Haroutune Bedelian – violino

David Johnson – viola

David Chew – cello

Marnix Möhring – cello

Repertório: J.S. Bach / Debussy / Schumann

08 de Agosto – 4a Feira

09h00 às 12h00 – Sede do Projeto Volta Redonda – Cidade da Música

Masterclass de cordas (com Haroutune Bedelian-violino,David Johnson-viola,David Chew-cello,Marnix Möhring-cello e David Ashbridge-violino)

 

15h00 – Apresentação Especial para os alunos do Colégio Getúlio Vargas de Volta Redonda

Blas Rivera Quarteto

Blas Rivera – saxofone, piano

David Chew – cello

Otto Hanriot – bandoneon

David Johnson – violino

19h00 – Sede do Projeto Volta Redonda – Cidade da Música

Recital de Câmara

09 de Agosto – 5a Feira

Manhã e Tarde – Sede do Projeto Volta Redonda – Cidade da Música

Masterclass de cordas (manhã e tarde) (com Haroutune Bedelian-violino,David Johnson-viola,David Chew-cello,Marnix Möhring-cello e David Ashbridge-violino)

19h30 – Cine 09 de Abril

Concerto da Orquestra de Cordas e Solistas Internacionais

Repertório: Vivaldi/David Ashbridge/Vaughan Williams/Piazzolla/Villa-Lobos/Blas Rivera/Bizet/

20h00 – Sede do Projeto Volta Redonda – Cidade da Música

Homenagem à José Antônio Abreu

Orquestra de Violoncelos e Contrabaixos de Volta Redonda

Sarah Higino – regente

Blas Rivera Quarteto

Haroutune Bedelian – violino

David Johnson – violino

David Chew – cello

Angelica de la Riva – soprano

Repertório: Vivaldi / A.Piazzolla / H.Villa-Lobos / D. Ashbridge

12 de Agosto – Domingo

11h00 – Museu do Amanhã (Auditório)

Cello Cine

Blas Rivera Quarteto

Blas Rivera – saxofone, piano

David Chew – cello

Otto Hanriot – bandoneon

David Johnson -violino

Cecília Gonzales e Luciano Bastos – bailarinos

Repertório:  J.S.Bach / A.Piazzolla / B.Rivera

 

12h30 – Museu do Amanhã (Átrio)

Cello Dance

Dilo Paulo – Kuduro de Angola

Sheila Fingier – bailarina

Improvisos

Yaniel Matos – cello

Fabio Cezanne – percussão

DJ Muralha

Danilo D’Alma e Pâmela Sobral – bailarinos

Paula Maracajá – direção de movimento

Repertório: Frequência Modulada

16h00 – Igreja da Candelária

Homenagem à José Antônio Abreu

Orquestra de Violoncelos e Contrabaixos de Volta Redonda

Sarah Higino regente

Solistas:

Blas Rivera Quarteto

Haroutune Bedelian – violino

David Johnson – violino

David Chew – cello

Otto Hanriot – bandoneon

Angelica de la Riva – soprano

Marnix Mohring – cello

Repertório: Vivaldi / A.Piazzolla / H.Villa-Lobos / D. Ashbridge/ Vaughan Williams/ Blas Rivera/Bizet

 

13 de Agosto – 2ª Feira

 12h00 – Teatro Dulcina

Transmissão ao vivo do concerto pela Rádio MEC

London Music Club (Haroutune Bedelian – violino, David Johnson – viola, David Chew – cello, Lorna Griffitt – piano)

Blas Rivera Quarteto (Blas Rivera – saxofone, Otto Hanriot – bandoneon, David Chew – cello, David Johnson-violino)

Marnix Mohring – cello

Repertório: J.S.Bach / A.Piazzolla / B.Rivera

10h00 – Espaço Cultural e Ambiental Érico Veríssimo – Cabo Frio

Quarteto Ad Libitum (Daniela Nupán – violino, Juan Daniel Molina – violino, Harold Bolaños – viola, Gabriel Ordóñez – cello, René Ordóñez – cuatro llanero, Alejandro Chimbaco – percussão)

Repertório: J.Haydn / F.Schubert / Folclórica Colombiana

 

14 de Agosto – 3ª Feira

13h00 – Gastrocello

Colaboração com o projeto “Gastromotiva” (Concerto para moradores de rua)

19h00 – Terraço Cultural Noris Galiotto – Cabo Frio

Quarteto Ad Libitum (Daniela Nupán – violino, Juan Daniel Molina – violino, Harold Bolaños – viola, Gabriel Ordóñez – cello, René Ordóñez – cuatro llanero, Alejandro Chimbaco – percussão)

Repertório: J.Haydn / F.Schubert / Folclórica Colombiana

15 de Agosto – 4ª Feira

09h30 – Igreja Matriz de Nossa Senhora de Assunção – Cabo Frio

Quarteto Ad Libitum (Daniela Nupán – violino, Juan Daniel Molina – violino, Harold Bolaños – viola, Gabriel Ordóñez – cello, René Ordóñez – cuatro llanero, Alejandro Chimbaco – percussão)

Repertório: J.Haydn / F.Schubert / Folclórica Colombiana / Missa de Mozart

 

16 de Agosto – 5ª Feira

Museu do Amanhã (Terreiro de Curiosidades)

10h – Cello Tinta (oficina para crianças da Maré)

Jonatas Silva, cello

Joana Passi e Carolina Chew, orientadoras

17h00 – Auditório DMU – UDESC / Florianópolis

Haroutune Bedelian – violino

Lorna Griffitt – piano

Repertório:  J.S.Bach / C.Debussy / J.Brahms

18 de Agosto – Sábado

11h00 – Museu do Amanhã (Auditório)

Quarteto da UFF (Tomaz Soares – violino, Ubiratã Rodrigues – violino, Jesse Maximo– viola, David Chew – cello)

Angelica de la Riva – soprano

Rio Cello Ensemble – Aleska Russo, Ana Milena Macías, David Chew, Elizabeth Bermúdez Diago, Fernando Bru, Gabriel Ordóñez, Glenda Carvalho, Hans Twitchell, Janaína Salles, Kely Pinheiro, Juan David Erazo, Mara Lobo, Marcus Ribeiro, Marxim Mohring, Mateus Ceccato – cellos

 

Repertório: Guerra-Peixe /J.S.Bach / Villa-Lobos

12h30 – Museu do Amanhã (Átrio)

Quarteto Ad Libitum (Daniela Nupán, Juan Daniel Molina – violino, Harold Bolaños – viola, Gabriel Ordóñez – cello, René Ordóñez – cuatro llanero, Alejandro Chimbaco – percussão)

Repertório: J.Haydn/F.Schubert e Folclorica Columbiana

14h00 às 17h00 – Cidade das Artes

Masterclass com Marnix Mohring e Mara Lobo

17h00 – Cidade das Artes

Camerata Laranjeiras

Marnix Mohring, cello

Kely Pinheiro, cello

Repertório: G.Peixe / Folclore Escandinavo

18h30 – Casa Museu Eva Klabin

Homenagem ao Fim da Primeira Guerra Mundial

Haroutune Bedelian – violino

Lorna Griffitt – piano

Trio Twitchell – Johnson (David Johnson – violino, Hans Twitchell – cello, Adriana Twitchell – piano)

Repertório: B.Britten / C.Debussy / D.Shostakovich

19 de Agosto – Domingo

11h00 – Cine Arte UFF (*parte da verba arrecadada neste concerto será revertida para o Rio Cello – R$14 / R$7)

Quarteto da UFF (Tomaz Soares – violino, Ubiratã Rodrigues – violino, Jesse Maximo– viola, David Chew – cello)

Quarteto Ad Libitum (Daniela Nupán – violino, Juan Daniel Molina – violino, Harold Bolaños – viola, Gabriel Ordóñez – cello, René Ordóñez – cuatro llanero, Alejandro Chimbaco – percussão)

Repertório: Guerra Peixe / Música Folclórica Colombiana

15h00 – Sala Municipal Baden Powell (*parte da verba arrecadada neste concerto será revertida para o Rio Cello – R$20 / R$10)

Homenagem à Jacob do Bandolim

Fernanda Canaud – piano

Marco de Pinna – bandolim

Federico Puppi – cello

Trio Porã (Maressa Carneiro – violino, Glenda Carvalho – cello, Ciro Magnani – piano)

Repertório: Pixinguinha / Mendelssohn

16h00 – Igreja da Candelária

Camerata Laranjeiras

Marnix Mohring, cello

Kely Pinheiro, cello

Repertório: G.Peixe / Folclore Escandinavo

20 de Agosto – 2ª Feira

12h00 – Teatro Dulcina

Transmissão ao vivo do concerto pela Rádio MEC

Fernanda Canaud – piano

Marco de Pinna – bandolim

Ramon Cruz  – piano

Juliana Franco – soprano

David Chew – cello

Repertório: J.S.Bach / Pixinguinha /H.Villa Lobos/ Bernstein

20h00 – Sala Cecília Meireles (*parte da verba arrecadada neste concerto será revertida para o Rio Cello – R$40 / R$20)

Violonsalada: Concerto de Encerramento (melhores momentos de Rio Cello 2018)

Homenagens à Debussy, Bernstein, Villa-Lobos e Paulo Russo

 

WEST SIDE STORY

RICE CELLO Ensemble

Aleska Russo, Ana Milena Macías, David Chew,  Elizabeth Bermúdez Diago, Fernando Bru, Gabriel Ordóñez, Glenda Carvalho, Hans Twitchell, Janaína Salles, Kely Pinheiro, Juan David Erazo, Mara Lobo, Marcus Ribeiro, Marxim Mohring, Mateus Ceccato – cellos

London Music Club Piano Quartet

Blas Rivera Quarteto

Trio Cello Brasileiro (David Chew, Janaína Salles e Marcus Ribeiro)

Cecília Gonzalez e Luciano Bastos – bailarino

Angelica de la Riva – soprano

Adriana Jarvis – Piano

Orquestra RICE (Jésus Figueiredo – Maestro; David Johnson, Haroutune Bedelian, Tomaz Soares, Ubiratã Rodrigues, Luiza de Castro, Marco Catto, Daniela Nupán, Juan Daniel Molina, David Ashbridge – violinos; Jesse Maximo, Harold Bolaños, Bernardo Fantini -violas; David Chew, Janaína Salles, Gabriel Ordóñez – cellos; Cláudio Alves – contrabaixo; Paulo Castro Andrades – fagote; Thiago Tavares – clarineta/ clarone; Daniel Soares  – trompa; Ramon Cruz  – piano;  – Lincoln Sena Pinheiro- flauta/picollo; Lino Hofmann, Fábio Cezanne- percussão)

Juliana Franco – soprano

Carla Rizzi – mezzo soprano

Marcelo Coutinho – tenor

LOCAIS:

Rio de Janeiro

Fundação Cidade das Artes

Av. das Américas, 5300 – Barra da Tijuca  (21) 3325-0102

Casa Museu Eva Klabin

Av. Epitácio Pessoa, 2480 – Lagoa  (21) 2523-3471

Igreja da Candelária

Praça Pio X – Centro (21) 2233-2324

Museu do Amanhã

Praça Mauá, 1 – Centro (21) 38121812

Sala Cecília Meireles

Rua da Lapa, 47 – Lapa (21) 23329223

Sala Municipal Baden Powell

Av. N. S. de Copacabana, 360 – Copacabana (21) 25479147

Teatro Dulcina

  1. Alcindo Guanabara, 17 – Centro (21) 2240-4879

OUTRAS CIDADES

Cine Arte UFF

Centro de Artes UFF – R. Miguel de Frias, 9 – Icaraí, Niterói  (21) 36747515

Cine 9 de abril

Rua 14, 235 – Vila Santa Cecília – Volta Redonda (24) 3348-5014

Sede do Projeto Volta Redonda Cidade da Música

Av. Graham Bel 89 – Vila Mury – Volta Redonda (24) 3338-8114

Espaço Cultural e Ambiental Érico Veríssimo

Rodovia Amaral Peixoto, 500 – Aquarius – Cabo Frio (22) 2646-1415

Terraço Cultural Noris Galiotto

Duo Santoro, José Staneck e Ana Letícia Barros apresentam “Do Clássico à Bossa Nova”, na Cidade das Artes, neste sábado, 5 de maio

Concerto faz parte da série Música de Câmara na Cidade das Artes e também fará homenagem aos 70 anos do compositor Ronaldo Miranda

Foto: Aguiar

Heitor Villa-Lobos é, sem dúvida, um dos maiores compositores do século XX. Com sua genialidade e patriotismo, o compositor rompeu grandes barreiras na música de concerto, colocando a cultura e o folclore brasileiros em evidência no mundo através de suas obras. Sendo violoncelista, Villa-Lobos sabia como poucos escrever para o instrumento. Seu principal ciclo de obras, as Bachianas Brasileiras, possui grande destaque para o violoncelo. As Bachianas de números 1 e 5, por exemplo, foram escritas somente para grupos de violoncelos. Paralelamente à ‘era Villa-Lobos’, a música popular brasileira também se desenvolve grandemente no século XX, com o surgimento da modinha, do choro, do samba, tendo seu auge na bossa nova.

Foto: Aguiar

No projeto “Do clássico à bossa nova”, o Duo Santoro pretende mostrar, através da fusão incomum entre violoncelos, harmônica e percussão, esses dois lados da música brasileira: o erudito, com destaque à homenagem os 70 anos do grande compositor Ronaldo Miranda; e o popular, com a sofisticação do samba e da bossa nova.

Único duo de violoncelos em atividade permanente no Brasil, o Duo Santoro, formado pelos irmãos gêmeos Paulo e Ricardo Santoro, completa 28 anos de existência em 2018, com dois CDs lançados dedicados à música brasileira erudita e popular, já tendo realizado concertos por todo o Brasil, na República Dominicana e no Carnegie Hall de Nova York, com obras compostas especialmente para o Duo pelos mais importantes compositores brasileiros.

Foto: Aguiar

Na percussão, o Duo Santoro conta com o sotaque brasileiro de Ana Letícia Barros, professora de percussão e de música de câmara da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, já tendo ministrado aulas em diversas universidades nacionais e internacionais, tais como University of Georgia, Eastman School of Music e New York University.

Chamado de David Oïstrakh da harmônica pelo crítico francês Oliver Bellamy e comparado aos músicos Andrés Segovia e Mstislav Rostropovich por sua atuação no desenvolvimento e divulgação de seu instrumento pelo crítico Luiz Paulo Horta, José Staneck tem um estilo próprio onde elementos tanto da música de concerto quanto da música popular brasileira e do jazz se fundem a serviço de uma sonoridade e expressividade marcantes.

A busca do novo a cada dia, a procura de diferentes sonoridades e de novas formas de expressão: esta é razão para a formação deste inusitado quarteto. É exatamente esta fusão de estilos que aproxima os quatro artistas, numa verdadeira conversa musical valorizada pela riqueza tímbrica que resulta dos sons dos violoncelos com a harmônica e com a percussão, em concertos sempre com lotação máxima de público.

 

SERVIÇO:

 

05/05, sábado – Duo Santoro, José Staneck e Ana Letícia Barros na Cidade das Artes

Local: Teatro de Câmara

Horário: 20 horas

Endereço: Avenida Ayrton Senna, 5300 - Barra

Informações: 3328-5300

Ingresso: R$40,00 (inteira), R$20,00 (meia-entrada)

Duração: 90 minutos em média

Classificação: Livre

 

Programa:



RONALDO MIRANDA – Diálogos*



JOÃO GUILHERME RIPPER - Cantiga e Desafio*



ADRIANO GIFFONI - Ladeiras de Olinda



HEITOR VILLA-LOBOS - Bachianas Brasileiras nº 4 (Prelúdio)

                                           - Bachianas Brasileiras nº 5 (Ária)

                                           - Bachianas Brasileiras nº 2 - (O Trenzinho do Caipira)



CHIQUINHA GONZAGA - Lua Branca e Gaúcho



TOM JOBIM - Luiza

                       - Dindi

                       - Chega de Saudade

  1. GONZAGA e H. TEIXEIRA - Asa Branca e Baião

WALDIR AZEVEDO - Brasileirinho





*musicas dedicadas ao Duo Santoro

 

Fábio Cezanne

Cezanne Comunicação - Assessoria de Imprensa em Cultura e Arte


21-99197-7465 / 21-3439-0145

www.cezannecomunicacao.com.br

Duo Santoro faz concerto gratuito na quinta-feira, 5 de abril, na Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro

Com transmissão ao vivo pela internet, concerto faz parte da série “Música de Primeira”, há dez anos ininterrupta na cidade

Foto: Stefano Aguiar

            Os gêmeos violoncelistas Paulo e Ricardo Santoro farão, na quinta-feira, 5 de abril, às 19h30min, um notável concerto na Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, no Estácio, comemorando os 10 anos da série “Música de Primeira”. No programa, uma estreia mundial: “Pizicato Music nº 1 e nº 2”, do compositor paraibano Siqueira de Sá, além de peças escritas por Boccherini (Sonata em Dó Maior), Couperin (Concerto), Nestor de Hollanda (Jovem Guarda) e Villa-Lobos (O Trenzinho do Caipira). Do CD “Paisagens Cariocas”, lançado em 2017 e eleito pela Revista Bravo! de São Paulo como um dos “10 álbuns imperdíveis de música erudita” do ano, composições de Leandro Braga (A Bênção, Sandrino), Dimitri Cervo (Pedro e Marcela) e Waldir Azevedo (Brasileirinho). O concerto tem entrada gratuita e será transmitido ao vivo no site, no Youtube e no Facebook oficias da Primeira Igreja Batista.

Foto: Stefano Aguiar

            Os violoncelistas Paulo e Ricardo Santoro iniciaram os estudos musicais com o pai, o contrabaixista Sandrino Santoro. Em 1989, graduaram-se pela Escola de Música da UFRJ com nota máxima e dignidade acadêmica Magna Cum Laude, e hoje são mestres pela UFRJ e pela UNIRIO. Pertencem aos quadros da Orquestra Sinfônica Brasileira e da Orquestra Sinfônica da UFRJ, onde já se apresentaram várias vezes como solistas, além de participarem de outras formações camerísticas distintas, tais como trios, quartetos e outros duos.

            Considerado “um dos maiores sucessos da música erudita brasileira” pelo Jornal O Globo, o Duo Santoro é um dos conjuntos mais elogiados pela crítica especializada. Único duo de violoncelos em atividade permanente no Brasil, o Duo Santoro estreou em 1990 e já se apresentou nas principais salas de concerto de todo o país. Seus recitais incluem um leque eclético de estilos, que vai do erudito ao popular. Uma das principais metas do Duo Santoro é a divulgação da música brasileira. Para isso, contam com a colaboração de vários compositores, que dedicaram algumas de suas principais obras ao Duo, tais como Edino Krieger, Ronaldo Miranda, João Guilherme Ripper, Ricardo Tacuchian, Dimitri Cervo, Villani-Côrtes, Nestor de Hollanda etc.

            Por unanimidade, Paulo e Ricardo Santoro receberam da “União Brasileira de Escritores” os prêmios PERSONALIDADE CULTURAL do ano de 1995 e MEDALHA DO MÉRITO CULTURAL de 2014, além das condecorações “MEDALHA DE OURO” e “MEDALHA DE PRATA” conferidas pela Escola de Música da UFRJ em 1992.

            Nas comemorações dos seus vinte anos, se apresentaram em praticamente todo o Brasil e na República Dominicana, coroando o ano com um recital no famoso Carnegie Hall de Nova York. Em 2013, lançaram o seu primeiro CD, “Bem Brasileiro”, totalmente dedicado a compositores brasileiros do século XX e contemporâneos, obtendo grande repercussão na imprensa nacional e internacional. Em 2017, lançaram seu segundo CD, “Paisagens Cariocas”, dedicado à música brasileira erudita e popular, sendo eleito um dos “10 álbuns imperdíveis de música erudita” pela Revista Bravo! de São Paulo.

 

Programa
BOCCHERINI Sonata em Dó Maior
COUPERIN Concerto
NESTOR DE HOLLANDA Jovem Guarda*
SIQUEIRA DE SÁ Pizzicato Music nº 1 e nº 2**
DIMITRI CERVO Pedro e Marcela*
HEITOR VILLA-LOBOS O Trenzinho do Caipira
LEANDRO BRAGA A Bênção, Sandrino*
WALDIR AZEVEDO Brasileirinho
*música dedicada ao Duo Santoro
**música dedicada ao Duo Santoro e primeira audição mundial

 

SERVIÇO:

Série Música de Primeira – Temporada X, Concerto 89º
Grupo: Duo Santoro
Data: 05/04/2018, quinta-feira
Horário: 19h30min
ENTRADA FRANCA
Local: Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro (tel: 2197-0900)
Rua Frei Caneca, 525 – Estácio (em frente ao Hospital da Polícia Militar)
De Metrô, acesso pela estação Estácio ou Praça XI
Vagas para 20 carros no pátio da Igreja, sem exclusividade
Transmissão ao vivo do concerto pela internet em: 
http://www.facebook.com/pibrjoficial
http://www.youtube.com/pibrjTV
http://www.musicadeprimeira.wordpress.com

 

Fábio Cezanne
Cezanne Comunicação - Assessoria de Imprensa em Cultura e Arte
21-99197-7465 / 21-3439-0145
www.cezannecomunicacao.com.br

Duo Santoro apresenta obra inédita de João Guilherme Ripper, com a Orquestra Sinfônica Nacional da UFF, no domingo, 17 de setembro, no Cine Arte UFF

Gêmeos violoncelistas farão a estreia mundial da obra “Duplum”, primeiro concerto para dois violoncelos e orquestra escrito pelo maestro

Foto: Stefano Aguiar

Foto: Andreia Lourenço

Ainda envolto com o recente CD “Paisagens Cariocas”, segundo disco de sua carreira, lançado no primeiro semestre, o Duo Santoro parte para mais uma etapa enobrecedora em seus mais de vinte anos de formação. No próximo domingo, 17 de setembro,às 10h30min, os irmãos, que integram a Orquestra Sinfônica Brasileira, vão se juntar à Orquestra Sinfônica Nacional da UFF, regida pelo maestro Tobias Volkmann, para realizar, em um concerto memorável: a estreia mundial da obra “Duplum”, concerto para dois violoncelos e orquestra, de João Guilherme Ripper. Este é o primeiro concerto escrito para esta formação pelo consagrado compositor – a parceria vem desde 1994, quando Ripper escreveu uma das primeiras músicas dedicadas ao duo, “Cantiga e Desafio”, gravada em 2013 no CD de estreia dos gêmeos, “Bem Brasileiro”.

O maestro vem saboreando grandes realizações profissionais. Pela primeira vez em 109 anos de existência, o Teatro Colón, de Buenos Aires, encenará uma ópera de um compositor brasileiro: sua peça “Piedade” tem quatro récitas nos dias 2, 3, 8 e 9 de setembro, dentro da série Ópera de Câmara, que tem curadoria de Marcelo Lombardero.

O concerto da Orquestra Sinfônica Nacional da UFF terá ainda a apresentação do “Concerto para fagote e orquestra, Op.88”, de Liduino Pitombeira, com execução a cargo de Jeferson Souza, integrante da OSN, além de obras de Cláudia Caldeira e Rafael Piccolotto de Lima.

SERVIÇO:

Duo Santoro e Orquestra Sinfônica Nacional da UFF 
interpretam “Duplum”, concerto para dois violoncelos e 
orquestra, de João Guilherme Ripper (estreia mundial)

Maestro: Tobias Volkmann
17 de setembro
Domingo | 10h30min
Cine Arte UFF
Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí, Niterói – RJ
Ingressos: R$ 14 (inteira) R$ 7 (meia)
Classificação: Livre
Informações: 3674-7511 | 3674-7512

Duo Santoro

Foto: Stefano Aguiar

 Iniciaram os estudos musicais com o seu pai, o contrabaixista Sandrino Santoro. Em 1989, graduaram-se pela Escola de Música da UFRJ com nota máxima e dignidade acadêmica Magna Cum Laude, e hoje são mestres pela UFRJ e pela UNIRIO.

Pertencem aos quadros da Orquestra Sinfônica Brasileira e da Orquestra Sinfônica da UFRJ, onde já se apresentaram várias vezes como solistas, além de participarem de outras formações camerísticas distintas, tais como trios, quartetos e outros duos.

Considerado “um dos maiores sucessos da música erudita brasileira” pelo Jornal O Globo, o Duo Santoro é um dos conjuntos mais elogiados pela crítica especializada.

Único duo de violoncelos em atividade permanente no Brasil, o Duo Santoro estreou em 1990 e já se apresentou nas principais salas de concerto de todo o país. Seus recitais incluem um leque eclético de estilos, que vai do erudito ao popular. Uma das principais metas do Duo Santoro é a divulgação da música brasileira. Para isso, contam com a colaboração de vários compositores, que dedicaram algumas de suas principais obras ao Duo, tais como EdinoKrieger, Ronaldo Miranda, João Guilherme Ripper, Ricardo Tacuchian, Dimitri Cervo, Villani-Côrtes, Nestor de Hollanda etc.

Por unanimidade, Paulo e Ricardo Santoro receberam da “União Brasileira de Escritores” os prêmios PERSONALIDADE CULTURAL do ano de 1995 e MEDALHA DO MÉRITO CULTURAL de 2014, além das condecorações “MEDALHA DE OURO” e “MEDALHA DE PRATA” conferidas pela Escola de Música da UFRJ em 1992.

Nas comemorações dos seus vinte anos, se apresentaram em praticamente todo o Brasil e na República Dominicana, coroando o ano com um recital no famoso Carnegie Hall de Nova York. Em 2013, lançaram o seu primeiro CD, “Bem Brasileiro”, totalmente dedicado a compositores brasileiros do século XX e contemporâneos, obtendo grande repercussão na imprensa nacional e internacional. Em 2017, lançaram seu segundo CD, “PaisagensCariocas”, dedicado à música brasileira erudita e popular.

João Guilherme Ripper

Foto: Henrique Pontural (http://www.joaoripper.com.br)

Compositor, regente, gestor cultural e professor da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Obteve seu Doutorado em Composição na The CatholicUniversityofAmerica, em Washington D.C., onde estudou com Helmut Braunlich e Emma Garmendia.

Frequentou o Curso de PerfeccionamentenDireccónOrchestal na Argentina, com o Maestro Guillermo Scarabino, e Économie et Financement de laCulture, na Université Paris-Dauphine. Foi Diretor da Escola de Música da UFRJ entre 1999 e 2003. Em 2004 aceitou o convite do Governo do Estado do Rio de Janeiro para dirigir a Sala Cecília Meireles, onde permaneceu por 11 anos e empreendeu uma ampla reforma.

Em 2015, foi nomeado Presidente da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro, cargo que ocupou até o início deste ano. Ripper é membro e Vice-Presidente da Academia Brasileira de Música. Colabora frequentemente com orquestras, conjuntos de câmara, teatros e festivais no Brasil e exterior criando novas obras ou atuando como compositor residente.

Em sua produção mais recente destacam-se a série “FromMyWindow”, encomenda do ArtistProgram da KeanUniversity (US), “Desenredo” e “Cinco poemas de Vinicius de Moraes”, encomendas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, “Jogos Sinfônicos”, encomenda da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, “Natividade – Cantata Cênica”, encomenda do Teatro Amazonas, e “Gloria Concertato”, que encerrou recentemente o I Congresso Internacional de Música Sacra no Rio deJaneiro. Seu catálogo de obras inclui ainda as óperas “Augusto Matraga”,“Domitila”, “Anjo Negro”, “O Diletante”, além de “Onheama”, produzida no Festival Terras Sem Sombra em Portugal no ano passado, e “Piedade”, que integra a Temporada 2017 do Teatro Colón.

Fábio Cezanne

Cezanne Comunicação - Assessoria de Imprensa em Cultura e Arte


21-99197-7465 / 21-3439-0145

www.cezannecomunicacao.com.br

Novo álbum de André Mehmari e Antonio Meneses

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/BRASIL-INSTRUMENTAL/541713-NOVO-ALBUM-DE-ANDRE-MEHMARI-E-ANTONIO-MENESES.html?utm_campaign=boletim&utm_source=radio&utm_medium=email

André Mehmari e Antonio Meneses
Foto: divulgação

Um virtuose do violoncelo e um dos pianistas e compositores mais requisitados do Brasil unem erudito e popular, num repertório com obras de Johan Sebastian Bach, Piazzolla, Ginastera, André Vitor Corrêa e Tom Jobim

Os prestigiados Antonio Meneses – um virtuose do violoncelo – e o pianista André Mehmari – um dos pianistas e compositores mais requisitados do Brasil – se uniram, pela primeira vez, no recém-lançado “AM60 AM40”, álbum que será tema do programa Brasil Instrumental deste domingo.

Nesse trabalho, André Mehmari e Antonio Meneses unem erudito e popular, num repertório com obras de Johan Sebastian Bach, Piazzolla, Ginastera, André Vitor Corrêa e Tom Jobim, além de composições inéditas do próprio André Mehmari.

Apresentação e direção – Carmen Delpino
Produção – Caio Guedes

Duo Santoro é atração do Brasil Instrumental deste domingo

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/BRASIL-INSTRUMENTAL/538889-DUO-SANTORO-E-ATRACAO-DO-BRASIL-INSTRUMENTAL-DESTE-DOMINGO.html?utm_campaign=boletim&utm_source=radio&utm_medium=email

Foto: Stefano Aguiar

Os irmãos Paulo e Ricardo Santoro comentam o recém lançado CD Paisagens Cariocas, onde misturam repertório clássico ao popular, sempre com alusão ao Rio de Janeiro

Eles são irmãos gêmeos e tocam o mesmo instrumento: violoncelo. Juntos, formam o Duo Santoro, atração do Brasil Instrumental deste domingo.

Os irmãos Paulo e Ricardo Santoro lançaram, recentemente, o CD Paisagens Cariocas, onde misturam repertório clássico ao popular, sempre com composições que fazem alusão ao Rio de Janeiro.

Paulo e Ricardo Santoro estarão, no Brasil Instrumental, a partir das seis da tarde deste domingo para comentar esse álbum que traz composições inéditas e releituras de composições de Tom Jobim, Villa-Lobos, Ernesto Nazareth, entre outros.

Apresentação e Direção – Carmen Delpino
Produção – Caio Guedes

Duo Santoro lança CD “Paisagens Cariocas”

Duo Santoro, formado pelos irmãos gêmeos Paulo e Ricardo Santoro, lançou o CD “Paisagens Cariocas”. Assista ao programa “Roda de Choro” da TV Câmara, sobre a obra e lançamento do CD.

Biografia

Fonte: http://www.duosantoro.com.br

duo_santoro
Fonte: Jornal do Palco (www.jornaldopalco.com.br)

As orquestras de todo o mundo têm em suas estantes músicos do mais alto gabarito, com uma técnica perfeita e o mais absoluto domínio sobre seus instrumentos. Desses, alguns poucos se destacam; são aqueles tocados pelo gênio, que, além da técnica, trazem algo a mais: a magia de uma interpretação única. É o caso desses virtuoses do violoncelo, Paulo e Ricardo Santoro.

Nascidos no Rio de Janeiro, os gêmeos Paulo e Ricardo iniciaram seus estudos musicais com seu pai, o contrabaixista Sandrino Santoro. Em 1989, graduaram-se pela Escola de Música da UFRJ com nota máxima e dignidade acadêmica Magna Cum Laude, obtendo o título de Especialização em Violoncelo pela mesma Universidade. Ambos possuem o Mestrado em Música.

Estudaram também com os professores Márcio Carneiro, Arturo Bonucci, Bernardo Katz, Mario Centurioni, Antonio Del Claro e Peter Dauelsberg.

Paulo e Ricardo Santoro fazem parte da Orquestra Sinfônica Brasileira desde 1986 e da Orquestra Sinfônica da UFRJ desde 1989. Já se apresentaram como solistas à frente de várias orquestras, além de participarem de outras formações camerísticas distintas, tais como Trios, Quartetos e outros Duos.

Celebrado pelo público e pela crítica especializada por suas interpretações comoventes, o Duo Santoro tem sido saudado pelos principais jornais do país como o mais conceituado duo violoncelístico brasileiro.

Único em atividade permanente, o Duo Santoro estreou em 1990 e já se apresentou nas principais salas de concerto do Brasil, dentre elas a Sala Cecília Meireles, Teatro Municipal, Centro Cultural Banco do Brasil, Salão Leopoldo Miguez, FINEP, Candelária, Teatro Carlos Gomes e Museu da República no Rio de Janeiro, e nas cidades de Niterói, Campos, Macaé, Petrópolis, Teresópolis, Resende, Rio das Flores, Juiz de Fora, Poços de Caldas, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Brasília, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Cuiabá, Campo Grande, Palmas e Goiânia. Seus recitais incluem um leque eclético de estilos que vai do erudito ao popular, passando pelo clássico, romântico e moderno. As transcrições e arranjos para violoncelos são assinados, na sua maioria, pelo próprio Duo.

Uma das principais metas do Duo Santoro é a divulgação da música brasileira. Para isso, realizam um trabalho em conjunto com vários compositores, tanto na elaboração quanto na realização, já tendo executado em primeira audição mundial inúmeras obras para dois violoncelos. João G. Ripper, E. Villani Côrtes, N. Hollanda Cavalcanti, S. Di Sabbato, J. A. Kaplan, Ricardo Medeiros, Teresa Fagundes, Santino Parpinelli, V. Szpilman, Sergio R. de Oliveira, Alexandre Schubert, Neder Nassaro, Orlando Alves, Caio Senna, Marcos Lucas e Carlos Cruz são alguns dos compositores que já escreveram para o Duo.

No ano de 1992, tiveram seu trabalho reconhecido através das condecorações “Medalha de Ouro” e “Medalha de Prata” conferidas pela Escola de Música da UFRJ, iniciando, a partir daí, participações constantes em gravações para televisão e rádio.

Já tocaram ao lado de mestres da música popular como Sivuca, Robertinho do Recife, Bibi Ferreira, Maria Bethânia e Gilberto Gil, entre outros; e em palcos teatrais ao lado dos atores Carlos Vereza e Nathalia Timberg, além de participações em discos de Guilherme Arantes, Simone, Almir Sater e Roberto Carlos, entre outros.

Atualmente, o Duo Santoro também se apresenta com músicos convidados. Piano, violão, contrabaixo, percussão, flauta, viola, gaita e canto são participações constantes em seus recitais.

De acordo com o diretor da Sala Cecília Meireles, o Duo Santoro foi o grupo que alcançou o maior número de público dentre os solistas que se apresentaram na Série Vesperal do ano de 1995.

Por unanimidade, Paulo e Ricardo Santoro receberam da “União Brasileira de Escritores” o Prêmio PERSONALIDADE CULTURAL do ano de 1995.

Nas comemorações dos 20 anos do Duo Santoro, em 2010, se apresentaram em praticamente todo o Brasil e na República Dominicana, coroando o ano com um recital no famoso Carnegie Hall de Nova York.

Canal do youtube: https://www.youtube.com/channel/UC-1jsul8JDaGgEG94fGMjSg